A tecnologia já é algo comum do nosso cotidiano, todo mundo já está cansado de ouvir isso; o maior problema é não saber como isso pode te ajudar na hora do trabalho.

Com o surgimento de novos empregos, a necessidade de criar políticas de regulamentação vira pauta no papel humano dentro da quarta revolução industrial. Doris Leuthard, presidente da Fundação Swiss Digital Initiative e ex-conselheira federal da Suíça, ressaltou durante o Fórum Econômico Mundial, que com a classe trabalhadora cada vez mais moldada pela inteligência artificial, pensar na questão ética é fundamental. Isso porque, segundo ela, as consequências negativas dos algoritmos e novas tecnologias costumam ser negligenciadas pelo público. “A digitalização vai promover mais empregos informais. Isso fará com que o mercado de trabalho fique cada vez mais desprotegido”, afirma Doris.

Na discussão, o historiador Harari enfatizou que alguns trabalhos podem desaparecer nos próximos anos, mas outros ainda devem surgir. Entretanto, para que essa transição seja positiva, é importante que seja usado corretamente.

Não há motivo para encarar a tecnologia como algo negativo no mercado de trabalho. No entanto, é nítido dizer que a discussão sobre o futuro do trabalho devem ir além do aprendizado de novas habilidades. Os lideres de empresas têm o papel importante de normalizar as relações do cotidiano com máquina e pessoas.